Codebits VI – 15 a 17 Novembro 2012

Começa amanhã a sexta edição deste evento que ano após ano concentra num único local uma grande parte dos adeptos tecnológicos do nosso país e muitos outros que adoram os temas technology related.

O ano passado foram 800 pessoas em modo non stop, três dias!

Foi a primeira vez que participei no evento, e adorei é apenas o que posso dizer.

Tinha planeado participar de forma a assistir ás interessantíssimas talks propostas, mas dei por mim embrenhado num projeto que começou com uma pequena brincadeira com um Arduino. E foi aí que nasceu o Home Automation

Não ganhámos nenhum prémio, aliás, a nossa apresentação em 90 segundos até foi fraquinha…. porque estávamos demasiado cansados, tivemos pouco tempo para preparar a apresentação, e sinceramente, o tema não causa o efeito WOW na plateia que vota. Mas foi com agrado que o nosso projeto foi seleccionado para participar no Sapo Codebits Labs este ano. A ideia era acelerar projetos e transformá-los em soluções comerciais.

Posso dizer que nem tudo correu como queria, sendo a falta de tempo uma grande condicionante, mas foram uns meses interessantes. Aprendemos muitas coisas ao longo deste ano, e acábamos por fazer um sistema de Domótica.

Não sei qual será o futuro deste sistema, talvez nos próximos tempos saibamos o rumo da coisa, mas por agora é efetivamente o sistema que equipa a minha casa, que acabou por servir de piloto de desenvolvimento.

Para este tracei como meta assistir mais ás talks. A direta o ano passado pesou-me no corpinho já nada habituado a estas coisas, e isso levou-me a este objetivo.

No entanto coisa puxa coisa, como adepto de tecnologia que sou, já tenho algumas ideias em mente. Vejamos se sai dali alguma coisa. Tal como o ano passado, a ideia é explorar um pouco e brincar. Se sair algo que possa ser interessante e apresentado como mini projeto perfeito!

E não…. não vai ser nada com o Raspberry Pi, que parece ir dominar o evento este ano. Porque isso para mim já não têm o fator WOW, porque em raspberry PI já mexo desde Junho, e posso adiantar que está bem estável, não estivesse ele ligado 24/7 e fosse o cérebro do sistema de domótica.

E pronto… amanhã lá começa! Amanhã temos ainda programado o jantar do Aberto até de Madrugada, com direito a dormida por casa ainda.

De Sexta para Sábado veremos o que acontece no Pavilhão Atlântico… o ano passado foi direta, por isso o melhor é dizer “nunca digas nunca”. Certo é que está garantido que vai ser um evento espetacular!

 

 

 

 

 

 

GoDaddy & SOPA

Parece que anda por aí uma bomba.

Ao que parece a Godaddy, a maior empresa do mundo de registo de dominios decidiu mostrar o seu apoio á SOPA (stop online piracy act).

E ao jeito de ideia idiota, saíu uma grande caldeirada com milhares de clientes a sairem de lá. Quanto á SOPA em si, também não acredito que seja o remédio para o que anunciam. Pessoalmente, acho que são um conjunto de lobistas a fazer leis, o que é perfeitamente normal nos Estados Unidos, e que não vai trazer nenhum beneficio. Não é desta forma certamente que a pirataria será resolvida.

Quanto á GoDaddy sinceramente não me agrada a ideia deles, e como cliente deles, também sinto vontade de fazer o mesmo. Parece que afinal de contas já mudaram de opinião… como quem muda de camisa.

Não bastava já as caças a elefantes do Bob, e mais um conjunto de coisas, agora mais isto…. pelo menos os apoios ás GoDaddy Girls são as melhores coisas que dali aparecem….

As redes Sociais e as suas “aplicações”

“Uma rede social é uma estrutura social composta por pessoas ou organizações, conectadas por um ou vários tipos de relações, que partilham valores e objetivos comuns. Uma das características fundamentais na definição das redes é a sua abertura e porosidade, possibilitando relacionamentos horizontais e não hierárquicos entre os participantes. “Redes não são, portanto, apenas uma outra forma de estrutura, mas quase uma não estrutura, no sentido de que parte de sua força está na habilidade de se fazer e desfazer rapidamente.” 

Esta é segundo a definição da Wikipédia,  uma rede social. Julgo que também ser do conhecimento de todos – há alguém que nos dias de hoje não conheça uma?

E este é o tema que me leva  a escrever por aqui hoje, coisa, cada vez mais rara pelos vistos.

Podemos considerar também um blog agregado num agregador ou planeta uma “espécie” de rede social.

E se nos blogs é normal colocarmos determinados conteúdos que nos identificam, e permitem de alguma forma dar a conhecer os seus autores ou pensamentos, nas redes sociais é prática comum, e faz parte do senso comum, que as informações nelas publicadas devem carecer de algum cuidado.

Note-se contudo que existem pessoas que não têm quaisquer problemas em colocar determinadas informações online, usando muitas até essas plataforms para a (auto)promoção, e outros que se deveriam resguardar mais um pouco por vezes abusam. Tais situações podem levar a roubos de entidade, stalking, assédios, ou simplesmente ter bastantes dissabores, levando a que aquilo que deveria ser um divertimento seja por vezes uma grande dor de cabeça.

Mas não é esse o tema que me leva a escrever acerca disto… disso já toda a gente sabe, ou se não sabe é porque não quer sabes, porque já foi amplamente abordado.

A quantidade de redes sociais existentes hoje em dia leva a uma fragmentação das pessoas pelas mesmas, consoante os seus gostos, e dado o número cada vez maior delas, á repetição de conteúdos pelas mesmas, bem como o conceito de amizade multiplamente repetido por n redes sociais.

Isto é assim cada vez mais, e quando nasce uma nova que é o hype do momento lá vamos nós novamente. Podemos ver isso na recente rede social da Google, depois dos seus fracassos do Google Wave, e do Buzz, que nunca teve muita aceitação na minha modesta opinião, surge agora o Google Plus, a rede social da Google – penso que o Orkut é o parente pobre e nunca vingou em grande, sendo apenas bastante popular no Brasil e India com 58% e 32% de utilizadores desses países respectivamente.

E como este aumentar de redes aumenta a fragmentação e a segmentação, criando até por vezes autênticos baús de informação privilegiada, e moribunda – Hi5 por exemplo?

E depois no meio de tudo isto vêm as inocentes aplicações que pululam pelas várias e me levam a escrever este post…

Quem têm uma conta no Facebook sabe bem o que falo… é constantemente recebermos assédios de “amigos” que nos enviam convites. Ora claro que não são eles que nos convidam… pelo menos a grande maioria.

No meio do processo de experimentação da nova aplicação é habitualmente pedido ao utilizador que autorize o acesso a  determinados dados, e determinadas características do seu perfil, e como é habitual, as pessoas simplesmente carregam no OK.

No meio de tudo isto, as simpáticas aplicações, em regra além de recolherem os nossos dados sabe-se lá com que fins, spamam habitualmente todos os nossos conhecidos com simpáticos convites.

E no meio de tudo isto é fácil se perder o controlo… e quantas vezes não damos por nós e temos aplicações a publicarem coisas nos nossos perfis, auto publicitando-se ou fazendo pior… enfim!

No meio disto criam-se gigantescas bases de dados para efeitos de publicidade/marketing/spam/whatever com um valor extaordinário, e o simples utilizador, que vai para o Facebook jogar, ou ver os amigos que cada vez vê menos na realidade, e mais virtualmente é apanhado na teia, muitas vezes de forma insconciente, e muitas vezes nunca disso têm consciência.

E com a abertura da API do Google+ muitas mais aplicações destas surgirão.  E com as próximas redes sociais que surgirão o efeito será amplificado. E muita informação ficará por aí, num estado de abandonware.

É preciso cuidado com os dados que colocamos, e especialmente com os previlégios que concedemos de acesso aos mesmos. Note-se que hoje cada vez mais é comum usar-se o Facebook / Google como mecanismo de autenticação, e com faltas de atenção e cuidado, rápidamente podemos dar acesso a terceiros de toda a nossa “vida” online.

Imagem: Reseau Sociaux, fonte Wikipédia 

 

Google TV

A Google finalmente disponibilizou hoje a sua anunciada novidade: a sua prometida TV.

Um conceito que parece revolucionar a pequena TV que todos (quase!) têm em casa.


Existem assim duas formas de aceder ao serviço:

– TV compatível com Google TV – Planeada uma Sony, mas ainda não disponivel

– “Set Top Box”da Logitech, mais concretamente o Logitech Revue. Segundo li pelo Engadget o Revue irá custar $299)

Seja de qual for a forma, a revolução começou, como quase tudo em que a Google ultimamente têm tocado (ok,excepto o Wave)

E pronto… agora venham as possibilidades, os utilizadores, e equipamentos mais baratos.

Curiosamente parecem ter criado um novo acrónimo: o “fling”. Não tarda muito todos andaremos a dizer, então já flingaste o filme ? 🙂

Fling é o transmitir aquilo interessante que estamos a ver no telemóvel para a TV, sejam fotos, sites, videos, interessante sem dúvida. (Curiosamente o meu telefone Samsung possui algo semelhante, que me permite partilhar para a TV instantaneamente, e dá um jeitaço!)

Já agora fica o Blog da Google TV: http://googletv.blogspot.com/

GMail Priority Inbox

Hoje reparei que já tinha disponivel o Priority Inbox no meu Gmail.

Depois do buzz dos últimos dias em torno do tema, é com agrado que reparo que os utilizadores Google Apps for Domains desta vez não foram deixados para uma segunda fase, o que parece acontecer por vezes. As coisas saiem no Gmail e só depois se propagam ás apps, possivelmente por serem um produto comercial, e se fazer o teste de carga com os clientes normais.

Bem enfim… a verdade é que já cá está. Agora deixa ver até que ponto isto será útil no futuro, e o learn da coisa é mesmo bom e funciona.

Get through your email faster

Email is great, except when there’s too much of it. Priority Inbox automatically identifies your important email and separates it out from everything else, so you can focus on what really matters