Mais um rato

Tinha prometido a mim próprio que desde o último, seria mesmo o último rato que compraria da Microsoft: caros, e este último com uma qualidade duvidosa, e que nem suporte consegui para o mesmo face aos problemas que encontrei. Nem por telefone, nem pelas páginas, nem pelo Facebook dos mesmos, não consegui arranjar um único sitio para me queixar do referido, e após várias transferências entre linhas, a paciência acabou.

O rato destinava-se a utilização diária profissional, e era um Microsoft Mouse 4000 (que substituiu algo que comprei antes da HP e não funcionava).

Não era o primeiro que comprava da Microsoft, mas fiquei particularmente desiludido com ele: por um preço que rondou os 40 euros, passado nem quase seis meses a borracha da scroll wheel começou a esfarelar-se toda, tendo encravado o mecanismo.

Após alguma pesquisa, percebi via comentários da Amazon, que era uma situação comum: a solução que muitos encontraram foi simplesmente remover toda a borracha, ficando apenas a roda em plástico, mais baixa, mas funcional.  Posteriormente ainda antes dos dois anos de término da garantia foi as borrachas de lado – já tinham um aspeto gasto do uso diário, mas começaram a descolar do plástico dando um “touch” muito miserável. Mas o rato lá foi sobrevivendo e cumprindo a sua função nestes pouco mais de dois anos diáriamente. No outro dia um pequeno acidente fez o laptop cair, tendo o seu sensor servido de amortecedor à queda na alcatifa….. e lá terminou a sua vida – o sensor ficou rachado ao meio, e como é wireless nunca mais funcionou.

Não é de facto o meu primeiro: já antes para esta função tinha comprado um Microsoft Mouse 3400, bonito e funcional, que no entanto para o uso diário me veio a mostrar ser desconfortável, dado que era demasiado pequeno.

Efetivamente veio a revelar-se um bom companheiro para o meu Surface Pro 3, que ainda hoje me acompanha em casa. Dotado de uma mobilidade extrema é perfeito para estas funções – o Surface Mouse ainda esteve equacionado, mas nunca o comprei, e o 3400 mostrou-se adequado à tarefa.

Tive ainda outros produtos, sendo os que mais me recordo são um outro caricato objeto – um combo Wireless Desktop 700 que tinha um layout de teclado particularmente curioso, e um também um Lumia 640, que ainda hoje funciona e guarda em si a última versão do Windows Phone entretanto abandonado, e ainda alguns devices com Windows CE – sim porque antes de Androids e iPhones já haviam smartphones.

Assim, hoje dado que o Mouse 4000 entregou a alma ao criador, equacionei a sua subsituição: andava tentado com o um Logitech MX Anywhere 2s, mas deixei passar a promoção da Amazon, e fora dela estão estupidamente caros.

Assim hoje ali na Fnac apanhei um outro objeto curioso: o Microsoft Sculptur Confort Mouse, em versão Bluetooth que me agradou ao toque (sou demasiado picuinhas com teclados e ratos – não estou já tão esquisito – dantes comprava montes de teclados e ratos porque nao me adaptava ao sitio de uma tecla, ou não gostava do toque), e assim lá adquiri este….

Com umas boas reviews na Amazon, um preço aceitável para um rato bluetooth no comércio de retalho local, materiais agradáveis fizeram-me escolher este, e assim me liberta uma porta usb do portátil.

Claro que não é recarregável, nem aparentemente suporta vários perfis de computadores emparelhados, mas parece um bom dispositivo.

Vamos ver se não me arrependo, e volto a achar que os periféricos da Microsoft são de facto bem desenhados e duráveis.

Ford Sync 3 v3.0 update

Gosto muito de manter os softwares atualizados, defeito pessoal, profissional ou ambos. Geralmente as ultimas versões trazem muitas correções, novas features e por aí adiante.

No caso do software dos carros é algo impressionante: ou não há updates, ou as formas de aceder a ele são no mínimo estranhas.

Ora o meu atual carro até às procura por WiFi, encontrar é que não.

Contrariamente à Ford Americana o site da ford.pt não tem um local onde permita pesquisar por novos softwares para atualização como os americanos.

Tentei recentemente ver tal no concessionário, mas a resposta além de vaga, pareceu-me ter custos envolvidos. “Não é caro” por uma coisa que devia funcionar simplesmente bem.

Ontem por passeios por blogs acabei por saber que saiu mais uma nova versão do Sync 3, agora a versão 3.0, o sistema de infotainment que equipa alguns modelos da Ford. Claro que… os fóruns americanos estão pejados de pessoas a fazerem updates, e com algumas pesquisas até se encontram os softwares americanos para download, que não funcionam nos modelos europeus, ou pelo menos poderão dar um caro tijolo.

Com alguma leitura descobri que o site da Ford UK permite fazer downloads para os modelos Europeus, o que é algo fantástico – https://www.ford.co.uk/owner/resources-and-support/sync-bluetooth/update#/status/ – basta lá ir e colocar o VIN do carro e ver se existem novas versões disponíveis.

E foi isso que fiz, saquei o ficheiro de quase 3GB, formatei a pen em exFat, descompatei para dentro da mesma e fui dar uma volta á praia.

O update demorou uns 30 minutos com dois reboots pelo meio, sendo que como o rádio tem que estar a funcionar o melhor é mesmo estar a andar de carro.

Chegado a casa tinha na pen um ficheiro XML resultante da operação que coloquei no site da Ford e me indicou que a operação correu bem. Uma rápida análise ao conteúdo julgo que servirá para os mesmos saberem que foi feito update neste carro.

E pronto, parece que poupei uns €€€, dado que julgava não se possível de forma autodidata, sem recorrer à oficina e oficialmente.

Já quanto a novidades diz que tem um suporte ao Apple CarPlay, sendo irrelevante para mim dado que o Android Auto é coisa que uso desde os primeiros dias do carro, alguns ícones novos e mais cores nas detecções do estacionamento. Pelo menos do que me apercebi, dado que em tanto GB certamente mais coisas mudaram….. Nem que seja a BD das músicas (“Gracenote”)

Cloudflare DNS resolver 1.1.1.1

Pode parecer piada de uma 1 de Abril, mas não o é: a Cloudflare em conjunto em com a APNIC disponibilizam assim o DNS público mais rápido do mundo usando o endereço 1.1.1.1 – boas notícias para quem já usava os DNS da Google (8.8.8.8) . Mais informações em http://1.1.1.1 🙂

For IPv4: 1.1.1.1 and 1.0.0.1
For IPv6: 2606:4700:4700:: 1111 and 2606:4700:4700:: 1001

 

 

Flash a Nexus manually

Só para nunca mais ter que procurar isto, o que é recorrente de x em x meses dado que o flash-all.bat falha:

Step 7: If your bootloader is already unlocked, skip this step. If it is not, it has to be unlocked in order to flash anything. To do this, use the command:

Use the Vol Up to go up to yes and then use the power key to select. The device should now be unlocked

Step 8: We now want to wipe the device. Use the following commands in order:

Step 9: We will now flash the bootloader. It is important that you do not disconnect the device or mess with it during this step or else you hard brick the device.

Step 10: If using a phone or data enabled tablet, we will now flash the mobile radios. Some phones have more than one radio file. Flash the CDMA radio after the LTE radio.

Step 11: We will now flash the system, boot, and recovery all in one shot with the following command:

Alternatively, you could extract all the .img files in the zip file and flash them manually one at a time. This makes things really handy if you’re using the factory image to act as an update rather than a complete return to stock. If trying to update using the factory image, extract the .img from the zip file into the same directory as your bootloader and radio img files and execute the following commands in order:

If going for a complete back to stock using the manual flashing of the zip file, execute the following commands after the above 4:

Step 12: The device now has been flash back to stock. Only one thing left to do is reboot.

Your device will now reboot and should be completely back to stock as well as be unrooted.

 

Source e crédito do tutorial: http://androidforums.com/threads/guide-how-to-flash-a-nexus-factory-image-manually.706533/