Causas Motards: Doar alimentos – União Zoófila

Apesar da falta de tempo, abdiquei de umas horas para cumprir algo com que já me tinha comprometido antes: entregar ração na União Zoófila.

O mote veio via Facebook pelo Pedro, que após a organização no passado de um evento do género para as Aldeias SOS, resolveu reunir os motards conhecidos num evento de solidariedade com os animais, apelando á doação de alimentos.

O evento era simplista: pequeno café na zona da Expo, e depois rumar até á União Zoófila entregando alimentos. A organização foi feita via vários fóruns de grupos motards, e facebook. O resultado foi fantástico, não imaginei sinceramente que tivesse tanta adesão, nem tantos alimentos recolhidos. Tinha havido na outra semana uma recolha, para aqueles que não podiam estar presentes entregarem algo se assim quisessem.

Motas de mudanças, julgo que só haviam duas… a minha e uma DragStar, de resto só mesmo scooters/maxiscooters. Fiquei um pouco desiludido com tal, dado que ninguém do meu habitual grupo apareceu…. só mesmo conhecia o Pedro e a esposa dos meus passeios iniciais do fórum F1255cc.com, quando comprei a “Maria Francisca”. Tomado o cafézinho da praxe, pelas 11.45 era altura de rumar até á UZ. Dar as indicações de última hora, e tempo de marchar, reunindo a grande “colecção” de maxiscooters.

Chegados á União Zoófila viam-se alguns voluntários a passear animais, e muitos latidos. O placard “Lotação Esgotada” e “Não abandone gatos ao portão porque os cães que andam á soltam matam-nos” dizem muito acerca da falta de capacidade desta associação nos dias que correm, em que a crise é a maior desculpa para abandonar um animal.

O volume de alimentos recolhidos deixou-me bastante contente. Nunca pensei que fosse tanta a quantidade!

Uma foto com um dos animais que andavam a passear….

E mais alguns animais que andavam também em passeio.

Quer ajudar?

http://www.uniaozoofila.org/

NIB da UZ para Donativos: 0033 0000 0058 0204 2235 6

 

O fim do mercado regulado da Electricidade e Gás Natural em Portugal

As tarifas reguladas de venda a clientes finais acabam no final de 2012 para a totalidade dos consumidores portugueses de eletricidade e gás natural, tendo um período transitório de três anos para começarem a procurar um comercializador de mercado.

Durante o período transitório os consumidores continuarão, caso permaneçam no mercado regulado, a ser abastecidos pelo comercializador de último recurso com uma tarifa transitória fixada pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e que será sujeita a revisão trimestral.

Como não estava em cima da mesa a mudança no imediato, e sempre disse que a mudar para a tarifa simples dado não existir tarifa bi-horária, só em 2015 quando fosse mesmo obrigado.

Recentemente tomei conhecimento que a EDP, e também a GALP já ofereciam tarifa bi-horária para o mercado liberalizado. Descobri assim os novos tarifários EDP Casa Total, e Galp ON com bi horário. Mas como o tempo não foi muito passou-me e acabar por ficar na prateleira.

Hoje numa discussão de comunidade do Google+ descobri que como incentivo os clientes que ficassem no mercado regulado, seriam automaticamente brindados com um aumento de 2,8%. Esta tarifa será revista a cada 3 meses, sendo mais que provável que no final de Março se assista a novo aumento.

Ora… então mãos á obra e descobrir o mais “barato”. Após algumas horas de análise de páginas, flyers, e informação mal traduzida, ou quase escondida e comparativos numa folha de excel, sintetizo isto fácilmente em: é quase tudo igual nos grandes players. Há um desconto de 5% no gás natural. Há descontos superiores noutros operadores de Gás Natural – supostamente. Mas vejamos:

Ofertas Conjuntas de Eletricidade + Gás: EDP & GALP

Tarifa Bi-horária Eletricidade + Gás Natural é igual quer na Galp quer na EDP. Oferecem ambas descontos de 5% no Gás natural. Esta era a que me interessava pelo que foi alvo de uma maior análise da minha parte.

No caso da EDP temos:

e na Galp:

Em termos de Gás Natural tudo me parece igual. Fica a tabela da Galp com 5% incluídos, igual á da EDP, e que permite ver as diferenças pelo país.

Como se costuma dizer: “nothing to see here, move along”. São os únicos que fazem tarifários bi-horários para já, e são fotócópias.

Interessante foi a EDP fazer um desconto na energia tri horária – a que já tive no passado e desisti por me ficar 10 cêntimos mais cara por mês para os meus consumos – de 2%, mas com a particularidade da tri-horária só estar disponível para potências contratadas superiores a 27,6KVA!!!! Esta fica de fora para mim, e penso que para a generalidade do mercado doméstico.

Em termos de Tarifa Simples, a EDP oferece  2% de desconto na eletricidade (opção horária simples e tri-horária) e 5% de desconto no gás natural (escalões 1 e 2), sendo que a Galp oferece 5% na eletricidade. A Galp têm um plano que oferece 10% em cada serviço, mas obriga á contratação de um serviço Comfort de 3.9€ ou 5.9€. A grande poupança destes % a mais de desconto será consumida por este serviço extra. Para quem queira tarifa simples, parece-me aqui haver uma oportunidade de conseguir poupar um pouco com 5% + 5%.

De acordo com a leitura do documento  Preços de Referência no Mercado Livre em BTN ≤ 41,4 kVA no site da Erse, estes são os únicos a terem uma oferta conjunta.

Em termos de fornecimento simples de eletricidade aparecem como fornecedores:

– EDP com o tarifário Casa e Base e Verde (apenas para potências superiores a 6.9KVA – mas que garante fornecer uma energia 100% Verde 🙂 – “A quantidade de energia equivalente ao seu consumo anual é produzida através de fontes renováveis de energia. Anualmente, receberá por e-mail um certificado que comprova que a energia provém de fontes renováveis.”)

– Endesa – aparentam oferecer 5% desconto face ao mercado, mas só tarifas simples, durante o primeiro ano.

– GALP – tarifas simples, com 3% de desconto.

– IberDrola – Tarifas simples, e desconto de 10% nos primeiros 12 meses.

 

Já em termos de fornecedores de Gás natural:

– EDP com o MonoGás – não encontro detalhes online.

– Galp com a oferta Galp On, que conforme imagem acima permite 2% desconto face ao tarifário regulado.

– GoldEnergy – Os recomendados pela DECO, e com protocolo que permite 3% sobre o consumo tabelado pelo mercado regulado. Fora isso anunciam “isenção do pagamento de parte fixa, mantendo o valor dos acessos à rede obrigatórios. Este desconto equivale, em média, a 20% da fatura” – vale o que vale, mas parece ser uma oferta simpática, especialmente para sócios da DECO.

Resumindo e baralhando: pela minha experiência de pesquisa, a informação está muito dispersa, e muitas vezes escondida em subpáginas. Todas falam em descontos e mais descontos, sobre o mercado regulado, aquele precisamente que vai acabar. Depois há páginas que nem funcionam…. mas isso explicará as adesões aos vários fornecedores também digo eu – “Número de clientes que em Novembro mudaram para o mercado liberalizado foi o maior de sempre.”

Os preços parecem em grande parte fotocópia, e temo que venha aí mais um mercado semelhante ao dos combustíveis. Para acabar a festa, temos a ERSE a impôr a mudança, aplicando esta bela taxa de 2,8% já em Janeiro, e a ser revista trimestralmente.

No meu caso a decisão está tomada. Fico-me pela EDP, mas é uma decisão que cabe a cada um. Façam contas e vejam o que compensa mais. Nos casos de tarifas elétricas bi-horárias só há dois para escolher: EDP & GALP, e são os dois iguais. Facilitou um pouco a coisa. Mas fazendo um Mix de dois fornecedores conseguem-se descontos interessantes.

Como sempre, aceitam-se sugestões e correcções a este rabisco!

Referências:

GALP – Tarifas Bi Horárias – http://www.galpon.pt/pdf/MonofolhaBihoraria.pdf

EDP – https://energia.edp.pt/

ERSE – Extinção das tarifas reguladas – http://www.erse.pt/consumidor/Paginas/mudancaELEeGN.aspx

 

Estatísticas e os Sem-Abrigo

Artigo a não deixar de ler.

Uma visão diferente, num artigo do Público sobre uma realidade que tantos ignoram , e querem ignorar.

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/semabrigo-escondidos-nas-ruas-e-nas-estatisticas-1574936?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+PublicoRSS+%28Publico.pt%29

Caricata é a definição do INE para o caso, e que leva a que sejam apenas contabilizados 696 sem-abrigo em Portugal.

O INE considera sem-abrigo “toda a pessoa que, no momento censitário, se encontra a viver na rua ou noutro espaço público como jardins, estações de metro, paragens de autocarro, pontes e viadutos, arcadas de edifícios entre outros, ou aquela que, apesar de pernoitar num centro de acolhimento nocturno (abrigo nocturno) é forçada a passar várias horas do dia num local público”.

De fora ficam “as pessoas a viverem em edifícios abandonados; as que, não tendo um alojamento que possa ser classificado de residência habitual, no momento censitário estavam presentes em alojamentos colectivos como hospitais, centros de acolhimento, casas abrigo”, as que estão a viver com amigos ou familiares por não terem casa e as que vivem em abrigos naturais, como grutas.

Codebits VI – 15 a 17 Novembro 2012

Começa amanhã a sexta edição deste evento que ano após ano concentra num único local uma grande parte dos adeptos tecnológicos do nosso país e muitos outros que adoram os temas technology related.

O ano passado foram 800 pessoas em modo non stop, três dias!

Foi a primeira vez que participei no evento, e adorei é apenas o que posso dizer.

Tinha planeado participar de forma a assistir ás interessantíssimas talks propostas, mas dei por mim embrenhado num projeto que começou com uma pequena brincadeira com um Arduino. E foi aí que nasceu o Home Automation

Não ganhámos nenhum prémio, aliás, a nossa apresentação em 90 segundos até foi fraquinha…. porque estávamos demasiado cansados, tivemos pouco tempo para preparar a apresentação, e sinceramente, o tema não causa o efeito WOW na plateia que vota. Mas foi com agrado que o nosso projeto foi seleccionado para participar no Sapo Codebits Labs este ano. A ideia era acelerar projetos e transformá-los em soluções comerciais.

Posso dizer que nem tudo correu como queria, sendo a falta de tempo uma grande condicionante, mas foram uns meses interessantes. Aprendemos muitas coisas ao longo deste ano, e acábamos por fazer um sistema de Domótica.

Não sei qual será o futuro deste sistema, talvez nos próximos tempos saibamos o rumo da coisa, mas por agora é efetivamente o sistema que equipa a minha casa, que acabou por servir de piloto de desenvolvimento.

Para este tracei como meta assistir mais ás talks. A direta o ano passado pesou-me no corpinho já nada habituado a estas coisas, e isso levou-me a este objetivo.

No entanto coisa puxa coisa, como adepto de tecnologia que sou, já tenho algumas ideias em mente. Vejamos se sai dali alguma coisa. Tal como o ano passado, a ideia é explorar um pouco e brincar. Se sair algo que possa ser interessante e apresentado como mini projeto perfeito!

E não…. não vai ser nada com o Raspberry Pi, que parece ir dominar o evento este ano. Porque isso para mim já não têm o fator WOW, porque em raspberry PI já mexo desde Junho, e posso adiantar que está bem estável, não estivesse ele ligado 24/7 e fosse o cérebro do sistema de domótica.

E pronto… amanhã lá começa! Amanhã temos ainda programado o jantar do Aberto até de Madrugada, com direito a dormida por casa ainda.

De Sexta para Sábado veremos o que acontece no Pavilhão Atlântico… o ano passado foi direta, por isso o melhor é dizer “nunca digas nunca”. Certo é que está garantido que vai ser um evento espetacular!