Ramblings with WordPress

Bolas… estou over quota no meu alojamento.

Bah…. apaga logs, apaga stats, apaga sei lá que mais coisas que não se usam….

E mesmo assim… acima dos 600 Megas. Esá certo que tenho aqui muitas fotos de uma altura em que que uploadava as fotos para o server…. mas bolas :/

Posto isto, escarafunchei um pouco mais… e com a ajuda do Cpanel lá descobri a pasta “gt-cache” pertença do plugin “Global Translator” do WordPress, que me ocupava 200 Megas!

Só 200Mb, 1/3 da minha quota…. estava ali há anos, já tinha vindo da Esoterica e tudo… Deleted!

Quem me quiser ler noutra língua que use o Google directamente 😐

O fim do prt.sc (o agregador de blogs)

Foi com alguma pena que li hoje que este projecto terminou.

Num texto simplemente colocado no Google Docs, e para o qual se é redireccionado ao ir a http://prt.sc, Vitor Domingos explica não só o fim, mas o inicio e a estratégia que levou á criação do mesmo, e a sua futura conversão em canal de vídeo.

É com pena que o vejo terminar, e mais uma vez após o “fecho” do Gildot, a conversão do planeta asterisco em prt.sc, e o seu fecho muita coisa se passou, e mais um projecto com algum cariz tech fecha, levando-me a pensar que cada vez existem menos escritas sobre tecnologia em Portugal com carácter pessoal, no fundo aquela que alimenta este grande monstro – a Internet.

No meio deste processo ficou o PlanetGeek, do qual este blog faz parte, virado mais para a g33kalhada/techalhada (whatever that means e o queiram entender – e por aí ficamos!!) fundado pelo Mário Gamito (que nos deixou a 23 de Março de 2009), após a sua saída do prt.sc/asterisco.

Existem mais umas quantas redes, sendo a mais conhecida a rede Tubarão Esquilo – não conheço nem por hábito  frequentar, nem se enquadra neste âmbito penso eu de que. As restantes julgo serem cogumelos, nascem e morrem.

Enfim julgo que a blogosfera Portuguesa fica mais pobre, mas compreendo em parte as razões enunciadas pelo VD no texto, sendo que começa-se a notar que cada vez os conteúdos são mais pobres nos blogs. Tirando alguns de referência, vê-se muitos a serem abandonados, ou a fecharem mesmo. Outros, como é o caso deste, são um rabisco de ideias, pessoais ou mesmo meros diários dos donos.

Por cá a “tasca” vai-se mantendo…. fiel ao seu lema – Pensamentos e ideias num mundo virtual – devaneios sobre tech e experiências tech, e qb de actividades mundanas que nem só de momentos g33ks vive o mundo.

E prontos… é altura de adicionar mais uns blogs ás minhas feeds RSS para seguir “duas ou três” pessoas que gosto de ler 🙂

O Twitter e os números inteiros a 32 bits

Ora parece que cheira a bug no ar. Andam por aí uns fulanos a apregoar que o Twitter e as aplicações em torno dele vão rebentar. Tudo isto porque cada “Twittada” têm um id único, e á velocidade que são feitos tweets, o número está prestes a chegar ao 2,147,483,647 o valor máximo que pode ser representado com um signed int a 32 bits. Aparentemente á data que escrevo isto esse valor já deve ter passado, mas nada por aí se vê mais deste tema, pelo que, assume-se que nada de grave aconteceu.

twitpocalypse_ars

Noícia completa na Arstechica

WordPress Feed Statistics

Isto é mais um desabafo, mas pronto, cá vai:

É só para tornar público aos interessados que caso tenham instalado o plugin Feed Statistics provavelmente quem vos lê a partir de feeds ao clickar no vosso post apanhará um belo erro. A minha versão é a 1.3.2.

É pena porque o plugin é bastante interessante, e até faz umas belas stats para quem não usa feedburners ou outros. Um simples menu na lateral do WordPress dá acesso a tudo o que queremos.

wp_feed

Só hoje reparei nisto, dado que não costumo ver as minhas próprias feeds, e ninguém me avisou.

“Warning: require(./../../wp-config.php) [function.require]: failed to open stream: No such file or directory in /home/PATH/TO/BLOGDIR/wp-content/plugins/wordpress-feed-statistics/feed-statistics.php on line 32”

Mas enfim… nada que não possa ser remediado. A solução ? Bem pois bem: Editar o ficheiro feed-statistics.php e em vez da path para o wp-config.php ser definida como “./../../wp-config.php”, deverá ser definida correctamente. No meu caso acabei por indicá-la explicitamente no filesystem sendo menos confuso até… eram tantos .. que assim ficou resolvido.

E pronto… fixed !

Verifiquei também um pequeno problema com o “clicktrough” em que ao se clickar num link do nosso post, por vezes dava alguns erros. Sinceramente não percebi bem se o erro seria da minha instalação do WordPress ou seria mesmo do plugion, mas resolvi-o da seguinte forma:

A seguir a header.. na linha 69 acrescentei um echo(“$url”);

Dado que o header() torna o redireccionamento automático nada acaba por ser visivel no ecrã ao visitante, e funciona perfeitamente.

”    header(“Location: “.$url);
echo(“$url”);
return;