Epson Connect

Estamos em 2016, e já lá vão uns anos sem impressora, pelo que muito mudou neste campo.

No final de 2015, após pagar dois euros por umas fotocópias junto à Segurança Social decidi comprar novamente uma impressora para tratar dos papéis paras as várias instituições que me pediam relativas ao M (isto de ter um bébé consome papel, neste caso de imprimir!).

Após tentativa de ressuscitar a minha velha HP, acabei por comprar uma Epson básica, com scanner, e vários tinteiros, e wi-fi, o que por 55€ acho que foi um bom negócio, e confrma que o mundo mudou muito (ainda me lembro da primeira Epson LQ100 de agulhas que tive, e depois uma HP 640c, até em que 2006 veio uma HP Photsmart bá blá…) – muito mudou.

Esta não é rápida, e em fotos não é nada de especial mas não era a isso que se destinava, e especialmente queria algo mais económico para fugir dos preços abusivos dos tinteiros da HP.

A impressora têm um interessante serviço que na altura não experimentei: o Epson Connect – alguém manda algo para um email e voilá a coisa imprime-se.

E quando eu digo voilá, é mesmo assim. Ontem tive alguém que me pediu para imprimir algo, e ligar pc, ver o email e tal, lembrei-me disto.

Hoje experimentei, e foi isso. A ideia de ter isto aberto ao mundo e se descoberto ter a impressora potencialmente a imprimir os Lusíadas não me agrada.

Esperava algo mais avançado, com aprovação numa queue, mas não… é só assim. Ou então por endereços de email em Whitelist.

E lá configurei uma whitelist …. não vá um dia chegar a casa e ter um novo exemplar dos Lusíadas no escritório.

Esperava um pouco mais… estamos em 2016.

A evolução do (meu) acesso à Internet

Isto é um pouco de história, pessoal: Ainda no outro dia comentava, relativamente às estonteantes velocidades que a Internet permite hoje em dia, que parece que foi ontem que tive o meu primeiro modem a 14.4Kbps, com o NetPac e depois com o Netc.

           

Deve ter sido para aí em 1997, sendo em que em 1998 comprei um USR que apesar de fazer 59300, não passava dos 49333 bps ou algo parecido quando estava sol, dado que estava a cerca de 4Km da central de Alcanhões (Santarém).

Aqui mais pelas bandas a sul do tejo, nas terras de Caparica, tive uma NetLine em que básicamente era o mesmo, e em Agosto de 2002 passei a ter Sapo Adsl segundo diz o registo do blog. 512Kbps! Uma maluqueira na altura, que custava 35€ mês, só o ADSL, com um modem como o abaixo.

Melhor que isso só na FCT, em que deveriam haver 100Mbps segundo me recordo.

Diz ainda o mesmo histórico que em Fevereiro de 2005 mudei para a NetCabo, passando a ter uns estonteantes 2Mbps. Imagino que até 2007 esta velocidade tenha aumentado mas não me recordo dessa histórico.

Algures em 2007 mudei para o que hoje é o Meo, tendo ficado a uns 20 Mbps por estar quase perto da central telefónica. A imagem era algo como esta na TV 🙂

Em 2009 passei a ter fibra óptica tendo ficado com uns maravilhosos 100Mbps de download/20Mbps de upload. Para quê tanta velocidade dizia-se… a verdade é que dava jeito para updates e downloads pontuais, mas o upload era o melhor.

Como o mundo está em constante mudança, desde este mês passei a ter 200Mbps/100Mbps. Já quanto ao Download confesso que não me deverá servir para muito, mas para o Upload tenho boas utilizações.

Trabalhar remotamente hoje em dia com tamanhas velocidades permite sentir-mos-nos práticamente na rede da empresa, o que é extramente bom, e vantajoso.

Ou seja, em cerca de 20 anos passei de 14Kbps para uns 200Mbps. A tecnologia e a Internet não param de avançar, e nós estamos a ficar mais velhos 🙂

Google Play Store agora com Filmes e Dispositivos em Portugal

Os mais atentos repararam certamente que nos últimos dias os filmes chegaram á Play Store, e fruto disso já é mesmo possível comprar ou alugar um filme na Play Store. Contudo além dos filmes, a venda de dispositivos parece ter sido também iniciada em Portugal.

Os rumores dizem ainda que hoje o Google iria lançar o ChromeCast em muitos mais países além dos US, mercado onde se vende exclusivamente. Esta manobra dos filmes parece antecipar esta nova abertura.

E sem dúvida a melhor noticia é a venda de equipamentos via Play Store. Finalmente é possível em Portugal comprar um Nexus 5 ou um Nexus 7, especialmente o 5 – sem recorrer a truques de forwarding ou afins.

Passa a ser assim possível a todos os interessados, por 349€ possuirem um fantástico Nexus 5! Um preço muito competitivo face ao equipamento e as carateristicas do mesmo, em Preto, Branco e Vermelho!

 

 

O marketing da Groupon

Hoje estava a passar pelos emails quando achei esta oferta caricata da Groupon:

É um problema antigo e um clássico de Natal: abrir um presente para encontrar outro par de meias e ter de se fingir contente com esta escolha de presente insultuosa de um qualquer familiar afastado. As meias não podem ser consideradas um presente, e ninguém tem de aceitá-las com um sorriso falso enquanto diz “muito obrigada e obrigada é merci”. Os clientes Groupon podem agora expressar o seu desagrado ao receber esta prenda. Basta sacar do cupão e esfregá-lo na cara de quem a ofereceu.

Claro que o objetivo deles com isto é falarmos disto, mas como até achei piada, penso que é relevante. Acho que a ideia está bem conseguida, e resulta numa oferta caricata, que muitos acabam por aproveitar apenas pela piada.

A Groupon Salva o Natal com um cupão de 0€. Fantástico não?

E quando já de si a coisa era engraçada, ao se comprar existem mais quatro opções:

A: escapara da obrigação de parecer agradecido ao receber meias por 0€

B: poder apanhar uma bebedeira na consoada sem ser olhado de lado

C:bloquear os programas de televisão irritantes e repetitivos.

D:possbilidade de comer milhares de calorias sem sentir remordos e calças a apertar.

No meio de tudo isto, porque não há almoços grátis, muitos se vão inscrever na Groupon e assim conseguem mais uns dados de potenciais clientes, divulgam a marca, e potenciam o brand awareness.