Causas Motards: Doar alimentos – União Zoófila

Apesar da falta de tempo, abdiquei de umas horas para cumprir algo com que já me tinha comprometido antes: entregar ração na União Zoófila.

O mote veio via Facebook pelo Pedro, que após a organização no passado de um evento do género para as Aldeias SOS, resolveu reunir os motards conhecidos num evento de solidariedade com os animais, apelando á doação de alimentos.

O evento era simplista: pequeno café na zona da Expo, e depois rumar até á União Zoófila entregando alimentos. A organização foi feita via vários fóruns de grupos motards, e facebook. O resultado foi fantástico, não imaginei sinceramente que tivesse tanta adesão, nem tantos alimentos recolhidos. Tinha havido na outra semana uma recolha, para aqueles que não podiam estar presentes entregarem algo se assim quisessem.

Motas de mudanças, julgo que só haviam duas… a minha e uma DragStar, de resto só mesmo scooters/maxiscooters. Fiquei um pouco desiludido com tal, dado que ninguém do meu habitual grupo apareceu…. só mesmo conhecia o Pedro e a esposa dos meus passeios iniciais do fórum F1255cc.com, quando comprei a “Maria Francisca”. Tomado o cafézinho da praxe, pelas 11.45 era altura de rumar até á UZ. Dar as indicações de última hora, e tempo de marchar, reunindo a grande “colecção” de maxiscooters.

Chegados á União Zoófila viam-se alguns voluntários a passear animais, e muitos latidos. O placard “Lotação Esgotada” e “Não abandone gatos ao portão porque os cães que andam á soltam matam-nos” dizem muito acerca da falta de capacidade desta associação nos dias que correm, em que a crise é a maior desculpa para abandonar um animal.

O volume de alimentos recolhidos deixou-me bastante contente. Nunca pensei que fosse tanta a quantidade!

Uma foto com um dos animais que andavam a passear….

E mais alguns animais que andavam também em passeio.

Quer ajudar?

http://www.uniaozoofila.org/

NIB da UZ para Donativos: 0033 0000 0058 0204 2235 6

 

O fim do Google Reader

Esta é uma daquelas coisas que ninguém percebe, e sinceramente não me parece que a Google se importe com isso. A decisão esta tomada.

Muita coisa se poderia dizer, mas sinceramente cada vez mais fico a pensar que ter tudo concentrado num gigante é mau. Recentemente decidiram terminar as Google Apps versao gratuita, e quem têm dominio próprio não pode mais recorrer a eles. Por agora os que tinham ficam, mas estou na expectativa que qualquer dia me terminem o serviço também. Nesse dia também é só mudar o DNS e pronto….  façam lá como quiserem.

Foi o Wave, o Picasa teve mudanças, o Android@Home nunca chegou a aparecer, o Google PowerMeter também foi desligado, e mais umas quantas coisas que assim por alto me lembro. Não sou paranóico com a colocação da informação nestes serviços, mas a facilidade com que um gigante termina um serviço é arrasadora. Se até os serviços pagos terminam, estes gratuitos estão sujeitos a regras bem diferentes. E agora imaginem que o Gmail termina……

Resta a quem quiser salvar as suas feeds fazer o procedimento descrito em http://support.google.com/reader/answer/3028851:

Como posso fazer o download dos dados do Google Reader?

O Google Reader será aposentado no dia 1º de julho de 2013. Se você deseja fazer o download de uma cópia de todos os dados do Google Reader antes dessa data, é possível fazer isso usando o Google Takeout. Você receberá seus dados de inscrição em um arquivo XML e as seguintes informações serão baixadas como arquivos JSON:

  • Lista das pessoas que você segue
  • Lista das pessoas que seguem você
  • Itens marcados com estrela
  • Itens marcados como favoritos
  • Itens que você compartilhou
  • Itens compartilhados pelas pessoas que você segue
  • Notas que você criou
  • Itens com comentários

Clique aqui para começar o download de seus dados do Google Reader pelo Google Takeout. Depois disso, seus dados de inscrição serão facilmente transferíveis para outro produto, onde você pode continuar a manter sua leitura on-line atualizada.

Codebits 2012, e as minhas experiências do ImpCar, um carrinho remotamente comandado com EletricImp

E estamos praticamente na reta final do Codebits.

Este ano, após o ano passado termos participado com um projeto no concurso de programação, e termos sido seleccionados em doze de todos os projetos que terminaram a edição de 2011 para participar no Sapo Labs, tendo conseguido chegar ao final no grupo dos cinco que terminaram com o nosso Home Automation que se veio a chamar MyDomus, tinha já decidido que não faria uma questão fulcral fazer um projeto para concurso este ano. Já tinha assim decidido aproveitar mais as talks para aprender, do que própriamente estar agarrado ao PC a programar contra relógio – sim este ano não quero fazer uma direta ! 🙂

Assim elegi algumas talks para ver, e no principio da semana encontrei uma coisa que gostava de experimentar aqui, e por isso tratei de perguntar se o Filipe da InMotion a ia trazer para ver.

Não não se trata do Raspberry PI – esse já tive bastante oportunidade de experimentar, dado que é o cérebro do MyDomus desde que o tenho, mas sim o Electric Imp.

O Electric Imp é um pequeno dispositivo (32mm x 24mm x 2.1mm) com um formato semelhante a um cartão de memória que permite ligar dispositivos á internet ou outros sistemas. O imp contêm um pequeno processador Cortex-M3 dentro dele, e permite interligar sistemas ligando-se á Cloud da ElectricImp via standard 802.11b/g/n WiFi, com  WEP, WPA ou WPA2 tendo em si uma grande antena.

Grande performance, com um baixo consumo são anunciados para este equipamento, permitindo que se mantenha uma ligação segura ao serviço, executando o código definido no editor Online do Imp – o Planner – libertando o developer das tarefas de manutenção, upgrade e outras – apenas têm que alterar o código, e o imp quando se ligar á internet atualiza o código.

Através de uma breakout, ou um shield, permite ligar a seis pinos para uso de aplicações/hardware. UARTs, I2C, SPI, analog in and out, PWMs, GPIOs são os vários modos seleccionáveis via software para as portas.

Assim tinha uma ideia para este projeto: tentar construir um sistema que pudesse ser controlado em qualquer parte do mundo. Para isso decidi reaproveitar um velhinho carrinho telecomandado, e ligá-lo ao imp.

Após algumas pesquisas lá descobri então como o fazer,a  escolha acabou por cair no Arduino com um shield controlador de motores/servos. Ora com o dito shield para controlar motores emprestado na Quarta, e finalmente colocando as mãos no Imp na Quinta Feira de tarde, lá deitei as mãos á obra e consegui fazer alguma coisa, experimentando então o shield Imp da Sparkfun que a InMotion me vendeu, dado que tinha planeado usar inicialmente uma breakout mais simples.

Acabei por ontem após a saída do Codebits, quase ás duas manhã, conseguir colocar um led a piscar, e pelas três já conseguia controlar o led via API remotamente.

Hoje foi dia de investigar o funcionamento dos motores e servos, chegar á conclusão que o motor da direcção estava queimado, e o servo que me emprestaram não era passível de ser adaptado ao carro. No entanto, sem desistir, lá decidi que o objetivo passava quanto muito não fosse a fazer algo que andasse para trás e para a frente para provar que o conceito funcionava, e as latências das redes não afetavam o controle do carro, algo que o Filipe Valpereiro já me tinha altertado quando lhe expliquei o que pretendia fazer.

A verdade é que lá consegui fazer o que pretendia, e este “pet projet” lá surgiu, e as latências não afetam assim tanto a coisa, sendo possível controlar o carrinho remotamente:

Encontrei algumas dificuldades dado que para implementar a comunicação entre o Shield Imp e o arduino usei comunicação série com a library SoftwareSerial, e os pinos para o shield do Imp são estáticamente os 8 e 9. Ora o 8 é usado no Moto Shield da LadyAda, e o 9 é também usado caso seja utilizado um servo.

A única forma que encontrei de reverter isto (além de tentar alterar o pino 8 na library AFMotor do shield da Ladyada que não funcionou foi cortar uns jumpers no PCB do Impshield e soldar outros de forma a usar o pino 0 e 1 do Arduino para o TX/RX. Infelizmente ao ser implementada a comunicação via UART quando se programa o Arduino obtêm-se um erro, pelo que para se conseguir tar, ou se tira o shield fora, ou se arranja maneira de lhe cortarmos a alimentação. Optei por tirar o shield, programar o Arduino, e voltar a colocar o shield.

E assim foi a experiência. Em breve tentarei algo mais complexo, mas terei de analisar cuidadosamente se existem outros shields controladores mais eficazes em termos de utilização das portas do Arduino, ou eventualmente tentar construir um controlador do motor.

De resto têm sido uns dias agradáveis: temáticas interessantes, mais projetos de hardware por aí, e até talks sobre Windows tem aparecido, como a talk sobre o desenvolvimento de aplicações para a AppStore do Windows 8 que o Caio Proiete deu.

Hoje ao final da tarde foi o tipico dia em que os corajosos experimentavam os Nuclear Tacos, e eu dado que estava numa Talk, acabei por não ir.

Hoje ao final da noite foi altura do mediático e famoso Quiz Show, com perguntas que *não lembram a ninguém* e é mesmo preciso uma grande “bagagem” para lhes saber responder.

Para amanhã tenho programado um Workshop de como fazer gadgets com Arduino, que foi adiado de Quarta para hoje. Pelo meio fica ainda a minha experiência em que usei uma estação de soldar – a primeira que usei na vida – que me emprestam no stand do Altlab, o Lisbon’s Hackerspace de [DIT] Do It Together, muito gentilmente para soldar os conetores no shield.

É uma edição marcada por lançamentos de muitas API’s, services Sapo SDK, e especialmente pela oferta cloudpt.pt tão mediatizada ultimamente com a promessa de oferta de 16 GB a todos. É verdade! E nós, participantes do Codebits tivémos direito a uma oferta especial: 50 GB for life!

E para finalizar vêm as apresentações dos que chegarem ao fim do concurso de programação: best part! Ideias novas, e muita técnica e qualidade. Portugal têm bastante, não tenho dúvidas disso.

More to come nos próximos dias por aqui 🙂

E o Twitter é isto

Por vezes tenho necessidade de explicar a alguém o que é o Twitter:

Uns compreendem, outros nem por isso, outros acham perca de tempo e criticam.

Desisti… desisti de explicar e tentar que compreendam.

Por cada um que se acha o maior e acha-me estranho por usar “aquela coisa” existem dez ou mais no mundo que me acham normal, e estranhos seriam os que não compreendem. Nem todos são iguais e partilham dos mesmos gostos, verdade, e por isso seguimos rumos diferentes ao longo da nossa vida muitas vezes culpa em parte de algumas preferências e opções tomadas.

Nem sempre há tempo, nem sempre vontade, mas é aconchegante mandar palavras ao mundo, e saber que muitos as verão.

Também é simpático e engraçado ir em busca de informação, ir lá pelo chit chat,  ir mandar um ou dois bitaites, sejam nonsense, futebolísticos, ou até políticos.

Mas partilho este texto que encontrei aqui no http://euaospedacos.blogspot.com/

O que é o Twitter…

O tuitas é ter uma TimeLine cheia de Tuitinhos…

É falar em 140 caractéres.

É um “bom dia” todos os dias.

É tuitar no metro, no carro e no comboiinho. No wc. Na cama ou no cinema.
É estar num evento e partilhar… Fazer da tua LinhadoTempo uma linha intemporal.
É sorrir pelo “fellow” mais engraçado… E ter o sorriso mais bonito.
“É imenso”.
É partilhar uma insónia.
Um filme.
Um GOLO! *\o/*
Uma música.
Uma notícia.
Um vídeo.
É dar horas 11:11.
É ir no 15.
É estar “Ao acordo do novo abrigo”.
É falar de #mines e #mamas e pensar #qsafoda.
É deixares falar de certos “Negócios e trenzinhos” como já tivesses dupla nacionalidade.
É a “minha, a tua e a prima dele”.
É beberes “chinesas” em vez de meias de leite.
Em entrares em mood’s que nem tu conheces, mas que entras: #Lilimode.
É morar em “Rabarrabos”.
É mudares de club para o “Boifike”.
É assistires ao nascimento da filha de dois “Folks”.
É ter um #nightshift.
É participares em almoços.
É jantares, é pic-nic’s, é fazeres o jantar e encher a casa #daCozinha até à sala de tuitos!
É deixares a tua mãe com vontade de tuitar também.
São encontros e despedidas.
É trocares de telemóvel porque devido aos TuitAndroidLovers, também ficaste com o bichinho.
É seguires o JN, o Coelho e Passo a Passo, cada follower.
É teres o teu namorado a partilhar uma linha do tempo e da vida.
É conheceres pessoas que sabes que de outro modo nunca estariam na tua vida, e fariam toda a diferença.
É seres tu.
Sem medo.
Sem preconceitos.
Sem julgamentos.
E Posto Isto…
O Twitter… É isto.