Ligando uma Visonic PowerMax Pro com PowerLink Pro 2 a um outro sistema

Adquiri recentemente uma Visonic PowerMax Pro. Dos vários equipamentos que haviam no mercado, no preço que estava disposto a pagar, a escolha recaiu neste, essencialmente por ser modular, relativamente recente, fiável, e robusto. São a generalidade das opiniões que encontrei.

Altura de trocar o alarme que tinha da Securitas Direct por este, que posso finalmente controlar, e programar á minha maneira.

Não deixo óbviamente de me interessar por algum hacking disto, se é que assim lhe podemos chamar: a consola pode ter conetividade IP, sendo passível de ser controlada via Web. Para isso é necessário um módulo adicional, o Powerlink Pro2.

O antigo Powerlink Pro foi aparentemente já crackado, e rootado, e mais n coisas. Até agora nunca tinha lido nada acerca de hacking a este novo, que é aparentemente considerado muito seguro.

Aparentemente segundo este blog, é possível aceder na rede interna ao webserver da consola, e com algum research pode ser controlada remotamente através de outras apps. Isto é o ideal para quem quer integrar a consola com um sistema de domótica já existente. Nada de hacking, apenas um estudo de como se processa os requests de autenticação, e pedidos feitos ao webserver, simulando os mesmos.

Tinha planeado um interface da consola com o sistema de domótica através de x10, permitindo a consola informar o sistema acerca de ser armada/desarmada, mas este pequeno texto descreve como proceder exatamente ao contrário, permitindo controlar a própria consola de outro sistema.

Como não tenho este módulo tinha a ideia que a comunicação com a consola era feita através dos servidores da Visonic em Israel segundo tinha lido algures, mas aparentemente, é acessível na rede interna.

Provavelmente apenas fora de casa passe pelos servidores deles para ser acessível anywhere in the world.

Como ao longo dos tempos já me fui habituando a blogs que aparecem e desaparecem, aqui fica o conteúdo em PDF para memória futura.

 

Codebits VI – 15 a 17 Novembro 2012

Começa amanhã a sexta edição deste evento que ano após ano concentra num único local uma grande parte dos adeptos tecnológicos do nosso país e muitos outros que adoram os temas technology related.

O ano passado foram 800 pessoas em modo non stop, três dias!

Foi a primeira vez que participei no evento, e adorei é apenas o que posso dizer.

Tinha planeado participar de forma a assistir ás interessantíssimas talks propostas, mas dei por mim embrenhado num projeto que começou com uma pequena brincadeira com um Arduino. E foi aí que nasceu o Home Automation

Não ganhámos nenhum prémio, aliás, a nossa apresentação em 90 segundos até foi fraquinha…. porque estávamos demasiado cansados, tivemos pouco tempo para preparar a apresentação, e sinceramente, o tema não causa o efeito WOW na plateia que vota. Mas foi com agrado que o nosso projeto foi seleccionado para participar no Sapo Codebits Labs este ano. A ideia era acelerar projetos e transformá-los em soluções comerciais.

Posso dizer que nem tudo correu como queria, sendo a falta de tempo uma grande condicionante, mas foram uns meses interessantes. Aprendemos muitas coisas ao longo deste ano, e acábamos por fazer um sistema de Domótica.

Não sei qual será o futuro deste sistema, talvez nos próximos tempos saibamos o rumo da coisa, mas por agora é efetivamente o sistema que equipa a minha casa, que acabou por servir de piloto de desenvolvimento.

Para este tracei como meta assistir mais ás talks. A direta o ano passado pesou-me no corpinho já nada habituado a estas coisas, e isso levou-me a este objetivo.

No entanto coisa puxa coisa, como adepto de tecnologia que sou, já tenho algumas ideias em mente. Vejamos se sai dali alguma coisa. Tal como o ano passado, a ideia é explorar um pouco e brincar. Se sair algo que possa ser interessante e apresentado como mini projeto perfeito!

E não…. não vai ser nada com o Raspberry Pi, que parece ir dominar o evento este ano. Porque isso para mim já não têm o fator WOW, porque em raspberry PI já mexo desde Junho, e posso adiantar que está bem estável, não estivesse ele ligado 24/7 e fosse o cérebro do sistema de domótica.

E pronto… amanhã lá começa! Amanhã temos ainda programado o jantar do Aberto até de Madrugada, com direito a dormida por casa ainda.

De Sexta para Sábado veremos o que acontece no Pavilhão Atlântico… o ano passado foi direta, por isso o melhor é dizer “nunca digas nunca”. Certo é que está garantido que vai ser um evento espetacular!

 

 

 

 

 

 

Codebits 2011 :: Home Automation com Arduino

Participei este ano no Codebits pela primeira vez: fantástica a experiência. Ainda irei contar um pouco mais e meter mais fotos.

Participámos também com um projecto, um projecto na área de domótica – Home Automation com Arduino!

Constitui equipa com o Eduardo Balsa, Nelson Antunes, e o Vasco Pinheiro.

O main goal era “Create a project to aquire some data readed at your home with an Arduino Uno. The arduino will publish that information to a backend , and the info will be available through web and in an android app. Mixes electronics, arduino, php, ,c#, ip video, and makes possible to control some stuff remotely.”
20111112_155130

20111112_160043

Untitled

Untitled3

Untitled2

SC20111112-155406

mail.google.com

Espectacular!
Conseguimos colocar o sistema a funcionar, com controle de três pontos de luz, e dois estores (simbilizados por leds numa bread board), controlados via uma consola desenvolvida em C# que lia da porta série (o Filipe não tinha shields ethernet para o arduino, que era a ideia inicial), e consola essa que com uma API REST em PHP registava todos os dados sensoriais recolhidos, e era responsável ainda pelo tratamento dos pedidos via interface web, e aplicação android. Os dados sensoriais recolhidos eram temperatura, luminosidade e som. Tinhamos ainda uma barreira IR, mas infelizmente queimei aquilo durante a madrugada… so no use for it.
Para complementar tudo isto tinhamos também uma camera IP motorizada, e direccional, que publicava a stream de imagens na web e android, sendo também controlada as direcções controladas via web e android. Esta camara ficou no centro da nossa mesa durante Sexta/Sábado a fazer stream 😛

Não ganhámos nada, mas foi fantástico. Consegui também com este projecto dar o major step que é implementar este projecto cá em casa. Consegui assim concluir que é exequível. Vejamos o que o futuro traz. Espero falar mais disto por aqui.

E parabéns a toda a equipa do Sapo / Codebits pelo evento – 3 dias espectaculares. You rock guys!

Mais fotos do Codebits nos próximos dias.

Gadgets: Ainda o medidor de consumos energéticos Envi da Current Cost – Parte II

No decorrer dos vários pedidos do João que tinha no outro post, desta vez coloquei um lembrete no calendário, e finalmente fui tirar valores do contador da EDP para conseguir fazer continhas.

O medidor de consumos Envi da Current Cost, vendido em Portugal pela Home Energy é uma ferramenta poderosa. Essencialmente a grande mais valia que vejo nele é dar-me o consumo instantâneo do consumo em casa, e com isso conseguir tirar algumas ilações.

Graças a ele ja percebi quanto gastava o meu Ar Condicionado, ou até mesmo o chão radiante, cujo alguém que supostamente o montou, tinha dito a outro vizinho que isto não gastava nada.

A grande falha a meu ver é no facto de não se conseguir saber quanto gastámos de X a Y, isto porque as ferramentas que existem online permitem apenas tirar amostras de Z em Z minutos, pelo que percebi do seu funcionamento. Não é uma falha, mas como esta amostragem tão espaçada os valores saiem deturpados.

Seria preciso um software que permitisse ler constantemente o valor que sai do XML da porta do ENVI, o colocasse numa BD e a partir daí fosse possível fazer “continhas”, mesmo sabendo que ele faz amostragens não continuas mas de 6 em 6 segundos.

Possivelmente haverá algum software que permita tal, mas ainda não tive muito tempo para me debruçar sobre esta matéria, dado que o meu interessava aqui é conhecer os meus consumos instantâneos, e por isso tenho os valores a serem publicados no Pachube, e até aparecem no Twitter numa conta na qual publico estes valores e temperatura (proof of concept only!).

Dada esta lacuna, a única hipótese seria utilizar os contadores que o mostrador do Envi têm e que mostram os últimos consumos de:

  • 1 dia
  • 7 dias
  • 30 dias

e foi precisamente com este de 30 dias que trabalhei. Assim tirei os valores do contador da EDP a 12/05 e pensei eu em os tirar a 12/06 ( na altura nem pensei que a diferença eram 31 dias e não 30 dias, mas também o erro introduzido não me parece significativo por tal… já explico o porquê).

Assim segundo o contador da EDP de 12/05 a 12/06 gastei 157KW. Segundo o contador do Envi gastei 193KW. Ou seja a diferença de 36 KW entre o contador da EDP e os valores do contador do Envi representam uma diferença de 23%,  quase mais 25%.  Mesmo que tivesse considerado 30 dias de EDP, e não os 31 como fiz com este estudo esta diferença ainda subiria, daí o referenciar 25%….

A Current Cost elucida que tal como o uso, a ideia é medir consumos instantâneos e evitar gastos supérfluos, dado que a amostragem do dispositivo é de 6 em 6 segundos, enquanto o contador da EDP factura de forma continua.

Possivelmente os motores de frigoríficos, bem máquinas de lavar roupa e loiça deverão ainda condicionar este tipo de medidas dado o seu comportamento indutivo, e talvez o Envi meça na realidade a potência aparente gasta, enquanto o contador da EDP indique a potência real.

PS: deixo uma interessante e simples explicação para a Potência real, aparente, reactiva e factor de potência  – http://www1.eere.energy.gov/industry/bestpractices/pdfs/mc60405.pdf

 

 

Gadgets: Ainda o medidor de consumos energéticos Envi da Current Cost

Na sequência do meu post “Gadgets & Consumos de Energias” em que falei do Envi da Current Cost surgiram algumas questões relativas á facilidade ou não como se instala o mesmo.

Tal como eu tinha dito, devido á hora do dia em que cheguei no dia em comprei isto e estive a instalar, acabei por não o meter no quadro eléctrico dentro de casa, tendo ficado junto ao contador no exterior. Eu gosto sempre de experimentar estas coisas, e por isso, no dia em que se adquirem, é sempre um bom dia para lhe metermos as mãos em cima.

Mais uma vez, e na sequência de conversas com algumas pessoas falou-se acerca da EDP poder não gostar disto, e não vá ainda algum dia quando vierem cá tirar a contagem da luz (sim, porque a telecontagem ainda não começou e continuam a mandar pessoas ler os números) me levarem o emissor, já tinha decidido que o iria tentar novamente colocar dentro de casa, com alguma paciência, jeitinho, amor e carinho !

Não existe grande ciência em tal, basta “abraçar” o fio da fase que nos alimenta a casa, no caso de uma instalação monofásica. A dificuldade prende-se com o espaço que temos ou não para colocar a pinça.

A dita em si não é grande e conforme disse basta fazer passar a fase no pequeno orifício que ali existe.

Depois claro basta “enquadrar” esta pequena coisa dentro do nosso armário eléctrico, não esquecendo ainda que têm de se ligar o fio ao transmissor.

Aqui em casa ficou conforme se pode ver acima. Ainda tive alguns problemas de leitura porque a pinça abriu-se ao fechar a caixar, e estava a dar leituras erradas. Com um pouco de jeito ajeitei a lingueta da mesma, que com tantos abre e fecha já teimava em não fechar e ficou a pinça devidamente fechada em torno do cabo que transporta a fase até ao disjuntor.

Conforme podem já ter adivinhado, esta operação de mexida em equipamentos eléctricos requer bastante cuidado, e deve ser feita com o disjuntor desligado de forma a não serem corridos riscos.

O resultado final foi este, já com o emissor montado. O emissor foi fixado com a própria filtra de velcro que vêm com o mesmo. Assim quando for necessário substituir pilhas basta “descolar” do velcro, abrir o emissor e substituir pilhas.

E com tudo terminado, ninguém sabe que esta geringonça ali foi montada.

As senhoras agradecem, porque mais um mono á vista é sempre tema para uma boa conversa acerca de estética.