Trapalhadas

Ontem saiu um excelente artigo disponível no Jornal de Negócios Online intitulado “Um governo a IRS…” . O link está aí atrás e gostaria apenas de destacar duas ou três frases que ficam.

Num dia não muito distante, um presidente demitiu um primeiro-ministro em Portugal. Razão: “trapalhadas”. O estroina Santana Lopes saiu e levou com ele a palavra. Ei-la de volta, acompanhando um apressado aumento da taxa de IRS. E não…

….

Entregámo-nos à intervenção externa de quem também está sem norte. Os mercados “estão descontrolados”, como diz o ministro alemão das Finanças. A UE está desaustinada. Quando Durão Barroso um dia disse que a Europa era um Boeing sem ninguém no cockpit, mal sabia que anos depois o Boeing continuaria sem piloto mesmo com ele a bordo.

Portugal é também um avião sem piloto, mas mais pequeno: é um Cessna, daqueles que fazem publicidade nas praias. Na faixa diz: “Sempre em festa”. Dirige-se para o aeroporto na expectativa de que lá esteja o FMI (e você, senhor contribuinte, já não sabe bem se receia encontrá-lo ou se secretamente o deseja).

Ora as acima, são para mim a mais das puras verdades. Veja-se o que se pode hoje ler acerca destas trapalhadas via Público por exemplo.

“As leis valem a partir do momento em que são publicadas, a partir do dia em que dizem que entram em vigor. Se há uma lei [publicada quinta-feira] que diz que entra em vigor amanhã, então é amanhã [hoje]”, disse em Lisboa Vital Moreira, também eurodeputado eleito pelo PS.

O primeiro ministro, José Sócrates, frisou hoje que a actualização das tabelas de retenção na fonte em sede de IRS produzirá efeitos nos salários de Junho e não já em Maio.

Interrogado sobre o momento em que produzirá efeitos a atualização das tabelas de retenção na fonte em sede de IRS, o primeiro-ministro sublinhou que seria a partir dos ordenados de “Junho, como disse [quinta-feira] o ministro das Finanças [Teixeira dos Santos]”.

“Produz efeitos nos ordenados de Junho. É esta a posição do Governo. Espero que não haja a mínima dúvida”, vincou José Sócrates.

Vital Moreira recusou comentar estas declarações, alegando desconhecê-las.

“Não conheço as declarações do primeiro ministro e não vou comentar”, disse.

Chegámos á desorientação total…. Foi esta a semana após anúncios do governo, e anúncios pela comunicação social, que causaram o caos na interpretação e busca da ultima versão a milhares de Portugueses – pelo menos aqueles que ainda se preocupam alguma coisa com a actualidade e não se resignam a aceitar e simplesmente saber das coisas quando elas já estão aplicadas.

Ontem, após a saída das novas tabelas de IRS, em que até pelos comentários da blogosfera se percebe que os Portugueses nem contas sabem fazer, o governo diz, contradiz e volta a dizer. “Bora lá pagar mais impostos”, e entretanto continua-se com TGV’s (mesmo após os espanhóis o terem suspendido), e cancela-se o concurso da terceira ponte para a seguir fazer um outro.

Da ponte só mais não falo, porque moro na Margem Sul e de facto a ponte faz falta a todos destas zonas, mas por favor…. suspendam os investimentos.

Acabem com as empresas de consultores no estado, e de uma vez por todas ponham os que não fazem nada a trabalhar. Temos pessoas tão qualificadas por aí, e se não chegarem ponham os que estão no desemprego a trabalhar, já que recebem um subsidio. Mas claro para isto tudo é preciso coragem politica, deste ou de qualquer outro governo, e ninguém se entende nestas matérias, como é o hábito. É graças a esta anarquia que isto vai assim e ficará cada vez pior.

E pronto… é fim de semana, devemos aproveitar para não nos aborrecermos e relarxarmos.

Dia 29 acho que existe uma manifestação…. vamos ver quantos lá aparecem. Certamente se criarmos um grupo no facebook para essa causa terá mais apoiantes.

A semana e a Manuela Moura Guedes…

A semana não correu bem á Manuela Moura Guedes, ou então poderá correr muito bem com uma eventual saída da TVI recheada… mas pronto isso são possibilidades.

No meio de tanta trapalhada, de uma eventual peça que foi indicada como um novo ataque ao nosso PM em período pré-eleitoral, e de um formato considerado por muitos “inadequado”, parece que veio a administração da MediaCapital (ou da Prisa…) dizer que tinha que ser homogéneo o Jornal da Noite e tal… e assim acabava o Jornal da Sexta.

ca967162-b341-4feb-88dd-fecb0766bf67_738D42D9-134C-4FBE-A85A-DA00E83FDC20_8E158B43-F047-4F4B-B48D-014B11B5AEB5_img_detalhe_noticia_pt_1
De qualquer das formas não sou dos que agora diz “Não vás”, quando antes todos diziam “Vai-te” e  “de vez” na saga Marinho Pinto .

Pelo  que se diz por aí a Manuela Moura Guedes vai-se manter pela TVI, tendo-se apenas demitido do cargo que ocupava. Ou isso, ou cheira-me que lhe vão ter que pagar bem para se ir embora.

Apesar de tudo isto, e de todas as leituras politicas ou imposições que circulam em jornais/tvs/blogosfera achei curiosa esta teoria do António Dias que não resisto a transcrever, dado que a sua recursividade me “captou”:

Teoria da conspiração recursiva
Publicado em 4 de Setembro de 2009 às 18:17 por António
( tópicos focados: humor, política, sociedade )
1.É óbvio que foi por influência do PS que foi cancelado o Jornal de Sexta.
2.Pensando bem, eles não seriam estúpidos a esse ponto, já que sabiam perfeitamente que iriam ser os principais suspeitos. Assim, é óbvio que foram influências do PSD que levaram ao fim desse noticiário, para causar problemas ao PS.
3.Por outro lado, no PS sabia-se perfeitamente que ninguém admitiria como possível tamanha estupidez da sua parte, tendo por isso influenciado a direcção da Prisa para terminar o programa.
4.É claro que no PSD também se poderia imaginar o cenário anterior, tendo por essa razão tomado a iniciativa de influenciar a direcção da empresa para pôr fim ao Jornal de Sexta.
5.…

Uma curiosa sondagem da Agência Financeira

Achei esta curiosa sondagem online na Agência Financeira.  Como não podia deixar de ser, a afirmação é no minimo caricata.
Das duas uma, ou todos os noticiários que vejo são da TVI agora, e os jornais são do 24 horas…. ou não sei mesmo.
Melhorias em quê ? Cada vez há mais desempregados e empresas a fechar. A única grande melhoria que os Portugueses notam é a descida da prestação do crédito habitação, e isso não é produto do Governo, mas sim da crise em si.
É um facto que o investimento público trará resultados, contudo não para já.
No meio de tanta história gostava de saber é quantos Portugueses já votaram na opção “Não. A situação económica está a piorar de dia para dia”… certamente que pensarão como eu, ou pior ainda.
Sondagem
O primeiro-ministro veio afirmar que o plano anti-crise do Governo já está a produzir resultados. Concorda?
[ 10:28 | 2009-04-22 ]
  10.92%
Sim. O poder de compra dos portugueses já está a melhorar
  69.40%
Não. A situação económica está a piorar de dia para dia
  19.68%
Talvez já se sinta alguma melhoria, mas é residual